Cultura

 Sexta-feira, 21.07.2017

 

CERÂMICA POPULAR PARAGUAIA
 
Cerâmica Paraguaia: comunidades Tobatí e Ita
 
As peças expostas são, em sua maioria, produzidas por mulheres, com aspectos híbridos da tradição indígenas e mestiças associadas ao cotidiano paraguaio diário vivenciado pelas artistas. As obras são de duas famílias de ceramistas: Editrudes Nogueira e sua extensão familiar (mãe, irmã e tia), que vivem na Companhia 21 de Julio, de Tobati, e Julia Isidrez e sua mãe Marta Rodas, da Companhia de Caaguazú, de Ita.
 
Tobatí e Ita são considerados os últimos redutos da cerâmica popular no Paraguai e possuem semelhanças quanto à preservação das técnicas de construção e queima da peças, mantendo algumas tradições de origem indígena e outras adaptadas da estética do colonizador europeu. Figuras zoomórficas (inspiradas em animais) e antropomorfas também são usadas com freqüência na cerâmica contemporânea utilitária e escultórica.
 
A aquisição destas peças foi através de Ticio Escobar e Osvaldo Salermo, diretores do Museo Del Barro, de Assunção – Paraguai, que no ano de 1996, doaram as peças ao Museu de Arte de Cascavel (MAC), inaugurado no dia 15 de março deste ano.