Preencha um ou mais campos para realizar a busca.

27/07/2018 - Liderança: "Não faríamos a aquisição sem aval da sociedade e da Câmara"
Prefeito liderou visita técnica de comitiva que demonstrou aprovação à proposta do Município de adquirir o imóvel que Município pretende transformar no novo Centro de Eventos da cidade "Não faríamos a aquisição sem aval da sociedade e da Câmara", garantiu nesta manhã (27) o prefeito Leonaldo Paranhos ao liderar uma visita técnica ao imóvel localizado às margens da rodovia BR-277, na saída para Curitiba, onde funcionava até pouco tempo atrás as antigas instalações do Atacado Liderança. O objetivo foi apresentar à sociedade civil organizada, ao secretariado municipal, aos vereadores e a líderes da comunidade, a estrutura vislumbrada pelo Município para ser transformada no novo Centro de Convenções e Eventos da nossa cidade, "mas fiz questão de trazer a comitiva para tomar uma decisão em conjunto e para que pudessem conhecer a qualidade da obra", explicou Paranhos. Mais de 50 pessoas participaram da comitiva, entre secretários, vereadores, empresários e membros do G8 e Observatório Social. Em recuperação judicial, o imóvel avaliado em R$ 45 milhões já foi a leilão, teve liberação do juízo da recuperação judicial e autorização da assembleia de credores dando a preferência para a aquisição em favor do Município de Cascavel, o que exige uma resposta com efetivação do depósito do valor de despacho judicial de R$ 28 milhões em até 90 dias. Para a aquisição, o Município busca financiamento em instituições financeiras como a Fomento Paraná ou a Caixa Econômica Federal e, tendo o empréstimo aprovado, enviará anteprojeto de lei para a Câmara de Vereadores. "Não gostaríamos de ver a família passando por isso, mas a situação já chegou à esfera judicial e alguém irá comprar este bem. Então o Município se antecipou, após vencidos os trâmites legais e o leilão, com um protocolo de aquisição, para termos a possibilidade de garantir este imóvel para a cidade", continuou o prefeito, que iniciou o mandato com um Plano de Governo que contempla a construção de um novo Centro de Eventos e um CD (Centro de Distribuição) que garanta economia e organização ao atual almoxarifado da Prefeitura. A aquisição do referido imóvel contemplaria as duas propostas, uma vez que o atual Centro de Eventos seria destinado ao CD. "Isso sem falar que uma obra como esta custaria pelo menos R$ 50 milhões e levaria no mínimo cinco a seis anos para ser construída". "Evolução de 20 anos" A proposta do Município vem ao encontro de uma bandeira antiga das entidades de classe, como explicou o presidente da Acic, Edson Vasconcelos, para quem, "a compra fecha um ciclo antigo". "Estamos pedindo isso há três mandatos, pois o Município compra mais R$ 200 milhões por ano e precisa contar com um Centro de Distribuição, pois isso minimiza a perda de produtos, melhora a qualificação de quem recebe e a qualidade os produtos entregues. Essa aquisição resolve o problema do almoxarifado e já traz um Centro de Eventos compatível com a envergadura da nossa cidade, fechando um ciclo e evoluindo 20 anos" O raciocínio foi seguido também pelo presidente do Observatório Social, Rui Dias da Rosa, que preferiu "não emitir juízo de opinião em relação à compra, mas fazer uma avaliação como cidadão". E, para ele, "isso vislumbra um sonho acalentado do almoxarifado central, que traz bons frutos no processo de controle, recebimento e distribuição, centralizando com eficiência maior, na perspectiva do que pensa o Observatório Social". Vereadores aprovam visita Boa parte do Legislativo participou da visita e pôde esclarecer dúvidas com o prefeito e os secretários. Dentre eles, o vereador Policial Madril. Ele disse que tanto a visita como a explanação da proposta o ajudou a esclarecer dúvidas que agora podem ser repassadas à população que o questionar. "Num primeiro momento muita gente fica impactada com o valor e não entende a compra, mas quando a prefeitura vem e esclarece, como hoje, ajuda a todos a entender. Isso foi positivo. Vimos que o local é muito bom, mas agora cabe à prefeitura encaminhar um projeto claro, que mostre a economia que isso gerará inclusive com aluguéis e o custo-benefício desta compra". Pedro Sampaio entende que a visita foi proveitosa, porque como "o empréstimo será votado na Câmara, temos de ter este juízo muito bem formado". Ele entende que o empreendimento é adequado ao novo Centro de Eventos e atende aos anseios, "e agora resta levantar dados técnicos sobre melhorias, readaptação e gerência, pois é grandioso e precisamos saber como será otimizado. Também temos convocado audiência pública para esclarecer e o ouvir a população, uma vez "que é importante envolver todos nesta debate". O vereador Alécio Espínola disse que a decisão pode "já estar tomada, pois o local é muito interessante, e nós precisamos deste grande Centro de Eventos, pois Cascavel precisa planejar o futuro, agora". Mais de 68 mil metros quadrados O empresário Beto Casagrande, do Atacado Liderança, mostrou a estrutura ao grupo e disse que caso a transação seja concretizada, será "um presente para a cidade", uma vez que torce para o imóvel ter uma destinação abrangente, pois a estrutura "vale até cinco vezes mais o que está cogitado a pagar". O local conta com uma área total de 68.677,37 metros quadrados, com área edificada de 17.494,77 metros quadrados. Somente o salão principal tem 10 mil metros quadrados, com sistema de ar condicionado central, auditório, restaurante, cozinha e refeitório, banheiro e um hotel com nove quartos e 28 leitos. A área de estacionamento e pátio de manobras conta com 24.568 metros quadrados conta ainda com uma área disponível para expansão de mais 26.515 metros quadrados, estrutura que segundo Casagrande "pode ser muito bem aproveitada pela sociedade". Espaço totalmente estruturado, que segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico, João Alberto Soares de Andrade, necessitaria de apenas algumas adaptações para as necessidades do Município e que pode, inclusive, abrigar um polo têxtil. "Já realizamos todos os estudos necessários para fazer, no local, um Centro de Eventos multiuso para áreas hoje não contempladas no Município, como eventos de pequeno e médio porte, específicos da região. A ideia é trazer grandes eventos de âmbito nacional, planejamento de ocupação da área, com readequação, salas para pequenos eventos e geridas pela secretaria.
25/05/2018 - Allan Padovani: Concorrência Pública abre disputa para mais 8 áreas na segunda
Será aberta às 14 horas de segunda-feira (28), no Departamento de Gestão de Compras da Prefeitura de Cascavel, a Concorrência Pública nº 10/2008 para a alienação de imóveis localizados em núcleos industriais do Município. São mais oito áreas que variam entre 1.537 m² e 1.872 m² sendo comercializadas a um valor inicial de R$ 85,00 o m² e que ampliarão em mais 13 mil m² o Núcleo Industrial Allan Charles Padovani, localizado na rodovia BR-467, KM 10, saída para Toledo. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico, João Alberto Soares de Andrade, a disputa pública está prevista no âmbito do Prodec (Programa de Desenvolvimento Econômico de Cascavel), regido pela Lei Municipal nº 5.422 de 2010 e regulamentado pela Lei Municipal nº 6.580 de 2016, observada as disposições da Lei Federal nº 8.666 de 1993. "Podem participar desta concorrência empresários do ramo industrial, comercial e de prestação de serviços que se enquadrem nos critérios da lei e atendam ao edital de licitação", detalha o secretário. O julgamento das propostas será efetuado pela Comissão Permanente de Licitação, sendo declarado licitante vencedor em cada item o interessado que apresentar a maior preço para o objeto “item” cotado, a partir dos preços mínimos estipulado no Anexo I do edital. João Alberto esclarece que os terrenos alienados são destinados exclusivamente para o desenvolvimento econômico e empresas geradoras de emprego. Os imóveis não podem ser alienados ou locados pela empresa beneficiada antes de decorridos dez anos da lavratura da escritura pública de compra e venda. "E, mesmo após a venda, a finalidade industrial, comercial atacadista ou de prestação de serviços da área deverá ser mantida", complementa o secretário.